Sábado, 13 de Julho de 2024
27°

Tempo nublado

Maceió, AL

Economia Negócios

Grupo BBF atua na descarbonização da Amazônia

A utilização de biocombustíveis a partir de óleo de palma é alternativa sustentável para descarbonizar a região

09/06/2023 às 14h10
Por: Redação Fonte: Agência Dino
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Para ter acesso a energia elétrica, a população das localidades isoladas da Amazônia Legal brasileira tem de conviver diariamente com a queima do diesel S500. Atualmente, 212 localidades da região não estão conectadas ao Sistema Interligado Nacional (SIN) e são atendidas por usinas termelétricas movidas, principalmente, por combustíveis fósseis.

Há 15 anos, o Grupo BBF (Brasil BioFuels) disponibiliza uma solução para a região: a geração de energia elétrica a partir de biodiesel e biomassa oriundos da produção da palma de óleo, também conhecida como dendezeiro.

O Grupo BBF possui hoje 38 usinas termelétricas na região, com capacidade total de geração de 238 MW. Atualmente, 25 usinas estão em operação com capacidade de gerar 86,8 MW, atendendo 140 mil pessoas. Com isso, o Grupo BBF retira mais de 106,4 milhões de litros de diesel fóssil da Amazônia por ano e reduz a emissão de cerca de 250 mil toneladas de carbono equivalente na atmosfera.

“Somos uma empresa que opera 100% com biodiesel B100 em substituição ao diesel fóssil em escala comercial nos Sistemas Isolados. Existem mais de 200 localidades na região Norte que pertencem aos Sistemas Isolados, ou seja, que não estão conectados com o Sistema Interligado Nacional de abastecimento de energia elétrica. Nestas comunidades, há pequenas usinas para fornecer eletricidade, sendo a maioria movida a diesel S500”, explica Milton Steagall, CEO do Grupo BBF.

De acordo com o executivo, a Amazônia está “intoxicada” pela queima do diesel usado no transporte e na geração de energia elétrica para as comunidades isoladas. Para se ter ideia, o diesel S500, mais utilizado para a geração de energia na região, contém alto teor de enxofre (500 mg/kg) e alto percentual de Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (HPA), substâncias comprovadamente cancerígenas. Além disso, o combustível contribui para a ocorrência de chuvas ácidas.

“O biodiesel de óleo de palma não contém enxofre, não emite substâncias cancerígenas e evita a emissão de carbono. Este produto se mostrou uma solução estratégica para ajudar a limpar a matriz da região, descarbonizar o pulmão do mundo e garantir segurança no abastecimento de energia”, diz Steagall, que desde o início dos anos 2000 estuda os desafios energéticos da região amazônica.

Produção sustentável, emprego e renda

A produção da palma de óleo da região também ajuda na solução de outros problemas enfrentados pela população: a falta de emprego e de renda, além da ocupação de áreas antes desmatadas.

O cultivo da planta segue uma das legislações mais rígidas do mundo, o Zoneamento Agroecológico da Palma de Óleo, definido pelo Governo Federal no decreto de 7.172 de maio de 2010. Segundo a legislação, a palma de óleo só pode ser cultivada em áreas degradadas da região até dezembro de 2007. Ao todo, 31 milhões de hectares no Brasil estão aptos a cultivar a palma de óleo.

Devido às características da planta, o cultivo da palma de óleo não pode ser mecanizado. “É por isso que defendemos que além de ser uma cultura que recupera áreas degradadas da Amazônia, é também uma solução para a geração de emprego e renda na região. A gente só vai ter um país justo e falar de impedir o desmatamento quando pudermos oferecer emprego para essa população. Atualmente, cerca de 29,6 milhões de pessoas vivem na região amazônica, segundo o IBGE. É fundamental criar oportunidades de emprego e renda para essa população, desde que se mantenha a floresta em pé”, afirma Steagall.

O Grupo BBF atua da região amazônica com seis mil empregos diretos e 18 mil indiretos gerados. A companhia possui mais de 75 mil hectares cultivados com a palma de óleo nos estados do Pará e Roraima. A expectativa é dobrar o número de empregos gerados nos próximos anos com o plantio adicional de mais 100 mil hectares de palma de óleo na região e a inauguração de uma biorefinaria para produção do Diesel Verde (HVO) e do Combustível Sustentável de Aviação (SAF).

Sobre o Grupo BBF

O Grupo BBF (Brasil BioFuels), empresa brasileira fundada em 2008, é produtora de óleo de palma, com área cultivada superior a 75 mil hectares e produção de cerca de 200 mil toneladas/ano de óleo. A empresa atua na criação de soluções sustentáveis para a geração de energia renovável nos sistemas isolados, com usinas termelétricas movidas a biocombustíveis produzidos na região. Sua atividade agrícola recupera áreas que foram degradadas até 2007 na Amazônia, seguindo o Zoneamento Agroecológico da Palma de Óleo (ZAE), aprovado pelo Decreto 7.172 do Governo Federal, de 7 de maio de 2010.

O Grupo BBF criou um modelo de negócio integrado em que atua do início ao fim da cadeia de valor - desde o cultivo sustentável da palma de óleo, extração do óleo bruto, produção de biocombustíveis, biotecnologia, até a geração de energia renovável – com ativos totalizando cerca de R$ 2,1 bilhões e atividades gerando mais de 6 mil empregos diretos na região Norte do Brasil. As operações do Grupo BBF estão situadas nos estados do Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima e Pará, compreendendo 38 usinas termelétricas (25 em operação e 13 em implementação), 3 unidades de esmagamento de palma de óleo, uma extrusora de soja e uma indústria de biodiesel.

A empresa está expandindo sua oferta de biocombustíveis e firmou parcerias para produção de Combustível Sustentável de Aviação (SAF) e de Óleo Vegetal Hidrotratado (HVO), também chamado de diesel verde. Os novos combustíveis sustentáveis serão produzidos a partir de 2026 na primeira Biorrefinaria do país, em fase de construção na Zona Franca de Manaus.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários