Terça, 18 de Junho de 2024
23°

Tempo nublado

Maceió, AL

Economia Negócios

CVC: Payfy recebe R$ 4 milhões da BB Ventures

O fundo do Banco do Brasil fechou uma rodada seed no valor de R$ 4 milhões com a Payfy, plataforma que oferece soluções para ajudar empresas a gere...

05/06/2023 às 13h45
Por: Redação Fonte: Agência Dino
Compartilhe:
FreePik
FreePik

O BB Ventures, fundo de CVC (Corporate Venture Capital) do Banco do Brasil gerido pela MSW Capital, fechou uma rodada seed no valor de R$ 4 milhões. O investimento foi recebido pela Payfy, plataforma que oferece soluções para ajudar empresas a gerenciarem os gastos corporativos. 

A startup foi fundada há quatro anos por André Apollaro e Matheus Anzzulin. A princípio, a proposta era atender o reembolso de despesas, otimizando um processo que, até então, era feito de forma manual, por meio de planilhas e envio de comprovantes físicos. Com o tempo, o negócio evoluiu para uma solução de gestão de gastos corporativos mais ampla, oferecendo um software que ajuda as empresas com a tomada de decisões de gastos. 

Além da plataforma de controle, a companhia oferece serviços de cartões inteligentes em versões físicas e digitais, com a possibilidade de definição dos limites de gastos e regras de aprovação personalizadas para cada orçamento, permitindo que o processo de compras e reembolsos para os funcionários seja realizado de forma mais simples. O objetivo é aumentar a produtividade e a colaboração da equipe, fornecendo visibilidade e controle para que o time financeiro se concentre em assuntos estratégicos.

Com mais de 500 clientes, entre eles Multilaser, Baterias Moura, LG, P&G e Unimed, a fintech tem duplicado o seu faturamento todos os anos desde a sua criação, e espera crescer 150% em 2023.

“O aporte será um reforço para atingir essa meta, levando as soluções para ainda mais empresas. Os recursos serão usados para aprimorar e desenvolver o produto e aumentar a equipe de vendas para manter o ritmo de crescimento”, diz Apollaro. Novas funcionalidades também estão no radar, embora o executivo ainda não possa adiantar o que está por vir.

A fintech já havia recebido um investimento no final de 2021, em uma rodada de equity crowdfunding no valor de R$ 1,5 milhão, feita por meio da plataforma Captable. 

Foco no smart

A Payfy chegou ao BB por meio da MSW, gestora especializada em CVC responsável por gerir o BB Ventures. “A MSW é um parceiro estratégico, com posicionamento no mercado e experiência para agregar nos desafios que enfrentaremos como startup”, analisa o CEO da Payfy.

Segundo Moises Swirski, sócio-fundador da MSW, a empresa não entra em negócios em que não poderá fazer a diferença em termos de smart capital. “Oferecemos conhecimento, networking, espaço para testes e provas de conceito, investindo em negócios que tenham valor estratégico para os cotistas, e vice-versa para um impulsionar o outro”, diz Swirski.

Para Apollaro, a credibilidade do BB, aliada à solução da fintech, permitirá que empresas tenham acesso a cartões de crédito integrados à uma plataforma completa de gestão de gastos corporativos, desde o pagamento até a conciliação contábil e a integração com sistemas ERPs. “É inimaginável o potencial que o BB tem pela experiência que possuem no mercado financeiro e a capilaridade de oferecer nossa solução para seus mais de 50 milhões de clientes”, pontua.

BB Ventures

Marisa Reghini, vice-presidenta de negócios digitais e tecnologia do Banco do Brasil, conta que o banco vem buscando parcerias diferenciadas. “No caso da Payfy, queríamos trazer uma experiência sofisticada para os nossos clientes PJ (Pessoa Jurídica), especialmente aqueles que usam o cartão corporativo, já que há uma certa dificuldade no mercado para fazer o acompanhamento da prestação de contas”, explica.

Pedro Bramont, diretor de negócios digitais e open finance do Banco do Brasil, destaca que o BB Ventures foca em startups que já tenham produto rodando, com clientes, e estejam consolidando sua atuação para cocriar soluções. “Por isso, o estágio da fintech é muito interessante”, afirma.

Esse é o 5º investimento do banco em pouco mais de um ano de atuação do programa de CVC. Segundo os executivos, a iniciativa tem acompanhado a conjuntura do mercado, mas não deve diminuir o ritmo. “Somos rigorosos no processo de avaliação das startups. Como investidores corporativos, a grande sacada neste momento é que temos a nossa visão de futuro e, se identificarmos uma startup que nos ajudará a trilhar esse caminho, seguiremos investindo”, afirma Bramont.

Já Reghini acrescenta que o BB acredita no programa de CVC e na interação da instituição com as startups: “Vamos continuar aportando com base nas empresas mais interessantes e na governança que criamos. Não vemos nenhum obstáculo para isso, apesar do mercado apontar para alguns direcionamentos.”

Jean Martinelli, gerente executivo de inovação aberta no Banco do Brasil, ressalta que o braço de CVC é “disciplinado e comprometido com a estratégia corporativa do banco”.

“Trata-se de uma estratégia de longo prazo que tem sido testada a cada ciclo econômico. Os fundos de VC, que agora estão mais restritivos, têm como foco o retorno financeiro. A gente prioriza o retorno estratégico, acreditando no conceito de inovação aberta e com a clareza de que não vamos desenvolver tudo dentro de casa”, conclui.

Para mais informações, basta acessar: https://payfy.io/

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários